Um blogue dedicada à exposição de alguns objectos que podem definir um verbo tão complicado como o verbo SER, relativamente à sua definição na personalidade de uma pessoa...
publicado por O Verbo Ser | Quinta-feira, 29 Dezembro , 2011, 21:31

Provavelmente este título está muito mal pontuado. Muitas vezes a “aquisição” de responsabilidade leva-nos a diversos dilemas ou problemas em opções de escolha. Assim, este título deveria ser pontuado com um sinal interrogação. No entanto, visto isto, podemos igualmente concluir que possuindo problemas de decisão e, como temos determinada responsabilidade, é imperativo tomar uma decisão, logo as reticências podem também representar este processo de decisão e a “pré-chamada(s)”  para este acontecimento.

A este passo podem vocês pensar: O que isto tem que ver com O VERBO SER?

Tem que ver, porque pode-se SER OU NÃO SER RESPONSÁVEL.

De maneira alguma o que vou dizer serve para me “gabar” ou para colocar outras pessoas num patamar de importância mais baixo. Nem pensar.

Há uns dias, encontrava-me eu no meio de um “trilema”, se me faço entender. Tinha uma questão que necessitava decidir entre três opções referidas por mim. Talvez por ter sido eu a restringir as opções ou por outra razão qualquer, tive muitas dificuldades a fazer a minha escolha. Mas, aos poucos, fui clarificando as minhas ideias e lá tomei a minha decisão. Apesar do “feito”, o melhor não foi o facto de ter conseguido tomar uma decisão, o melhor foi esta mesma decisão me deixou feliz, realizado e completamente aliviado.

A meu ver, acho que tudo na vida segue um pouco por este caminho.

A partir de um certo momento, devemos ser capazes e racionais q.b. para tomar decisões e realizar acções por nós próprios.

Lembro-me perfeitamente que as minhas Férias de Verão após o 9ºAno foram muito mais relaxantes que as minhas Férias de Verão do ano lectivo passado. Porquê? Provavelmente porque fui responsável q.b. para compreender que não podia deixar de continuar o trabalho realizado durante os 8/9 meses anteriores. Será isto responsabilidade, na realidade? Não sei. O facto é que me senti satisfeito quando vi algumas horas de Verão “perdidas” de revisão darem frutos.

O meu objectivo com este post foi, definitivamente, tentar expôr um pouquinho destas minhas experiências dentro deste confuso tema de nome RESPONSABILIDADE.

 

Até mais ver!

 

SEJAM, MAS SEJAM COM SENTIDO!


Micaela Madureira a 1 de Janeiro de 2012 às 16:51
Nunca consigo comentar um texto teu depois de o ler apenas uma vez.
Conheço pessoas bonitas que passam aqui e me dizem que se também mastigam o que escreves. Também há quem me diga que não deixas de surpreender.
Nem a mim deixas de surpreender, depois de tantos anos de caminhada e de tanta cumplicidade que fomos construindo!
Hoje, estava a reler e a pensar quantas vezes já te disse: confio nas tuas decisões. Sim, sem dúvida, confio na tua responsabilidade, na tua maturidade, no teu SER para te continuares a construir sempre mais e melhor.
Posso dar só um conselho? Não abuses. Vai até ao teu limite e testa-o todos os dias, mas nunca confundas isso com "auto-trituração".
Temos 10 dedos para 10 mandamentos, não é? Sim, Deus espera que saibamos ir até ao fim em tudo o que podemos fazer e ser, mas não nos exige nada mais do que isso. Não é das certezas mais lindas da nossa Fé?

mais sobre mim
Dezembro 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
30
31


arquivos
pesquisar neste blog
 
Visitas
blogs SAPO